quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

5ª Edição no AR


Lançada Hoje a 5ª edição temática da Revista Historien, segue o editorial para apreciação.


Prezado leitor,
Nos últimos anos, a historiografia latino-americana tem dedicado um interesse especial em discutir os fatores que conduziram ao processo de emancipação das colônias luso-espanholas no princípio do século XIX. No Brasil em especial, notamos que a partir de 2008 um crescente interesse pelos aspectos que marcaram a vinda da Corte Portuguesa em 1808 e a consolidação de nossa independência política em 1822.

Outras nações latino-americanas, colonizadas em sua maioria pela Espanha, também empreenderam estudos acerca de seus movimentos emancipacionistas. A idéia da presente edição nasceu em 2010, quando um dos integrantes da Revista Historien, Christoval Araújo em parceria com o Prof. Dr. Eduardo Martín Cuesta, propuseram uma edição conjunta entre pesquisadores brasileiros e outros historiadores da América Latina. A proposta concretizou-se e agora apresentamos a quinta edição da Revista Historien em que navegaremos no debate do Bicentenário da Independência das Nações Latino- Americanas.

Em Argentina: de vice-reino a um Estado de províncias, Leonardo Mercher busca relatar como através de processos políticos regionais, durante o século XIX e XX é formado o estado argentino. Juan Francisco Martinez Peria, propõe um estudo acerca da última etapa da Revolução do Haiti, seu artigo é: El choque final entre dos revoluciones: De la expedición napoleónica a la independencia de Haiti.

Germán Ibañez introduz a questão da descolonização como dimensão fundamental a ser explorada nos processos de independencia, seu artigo La Revolución Hispanoamericana: Una caracterización, aborda o processo revolucionário hispanoamericano com a culminância da independência de maior parte da América espanhola.

Eduardo Martín Cuesta escreve junto a Agustina Vence Conti o artigo Bicentenário de la Independencia Argentina: una perspectiva desde la historia Historien – Revista de História [5] Petrolina, jun./nov. 2011 7 econômica, ensaiando algumas perguntas acerca das características gerais da economia do que hoje é o espaço da República Argentina através da observação de três momentos históricos: 1810, 1910 e 2010.

Com uma proposta no mínimo inovadora, Julio Osaba escreve El Bicentenário Según Lisa Simpson o la Construcción Social de los Héroes. O autor trará uma visão acerca do Bicentenário no Uruguai usando a figura do Herói nacional, sua construção e desejo social, para isso, fará um contraponto com o icone Lisa Simpson, do desenho animado Os Simpsons. Jorge Rueda e Laura Rueda nos brinda com o artigo La Crisis del Convivir en la Historia y la Cultura Republicana en Chile, descrevendo aspectos na construção e historiografia da república chilena como sendo uma nação que assim fixada nas elites dominantes se encarregou de construir fronteiras
culturais e de identidade.

Lina Constanza Díaz Boada no texto La Élite Local ante la crisis de la Monarquía Española: Redes Sociales de Poder em el Cabildo de Pamplona – Virreinato de Nueva Granada, 1800-1810 analisa as diversas respostas desenvolvidas pela elite de Pamplona de Indias no Vice-Reinado de Nova Granada, em 1810, diante da crise da monarquia espanhola. E finalizando a História em Foco, Natalia Bustelo escreve El Nuevo Mundo en Espejo de Europa:Reflexiones Sobre la Construcción Identitaria Estatal, uma análise dos traços de imagens que foram usadas para representação do nacional e do latinoamericano e sua relação com a Europa.

Edson Silva no artigo Povos Indígenas do Sertão: Uma História de Esbulhos das Terras, Conflitos e de Mobilização por seus Direitos discute sobre a atual situação dos povos indígenas no interior do Nordeste; Silvano Fidelis de Lira escreve Histórias em Quadrinhos: Possibilidades e Perspectivas do Fazer Pedagógico no Ensino de História em que trata das possibilidades de utilização de um instrumento de fácil acesso aos estudantes dentro da sala-de-aula e suas possibilidades de enriquecimento do conhecimento transmitido aos alunos. Historien – Revista de História [5] Petrolina, jun./nov. 2011 Abordando a temática História e Memória, temos o artigo de Ulisses do Vale com o trabalho Entre Memória e Imaginação: Pelo Fim de uma Longa Má Consciência buscando refletir acerca do debate dentro do meio acadêmico sobre a relação entre a História e a Memória.

Por fim, dois artigos que abordam o Brasil Colonial: o primeiro de Marcio Douglas de Carvalho e Silva, A Demonização do Paraiso: Fé e Religiosidade no Brasil Colonial em que aborda as relações entre a religião oficial trazida pelo colonizador europeu e as diversas manifestações religiosas surgidas no Brasil a partir das influências de elementos africanos e indígenas; e o segundo de Emãnuel Luiz Souza e Silva, Ação Jesuítica e Catolicismo no Brasil Colonial do Século XIX que faz uma análise do padre jesuíta Luís da Gram em sua propagação da fé católica no Brasil do século XVI.

É com imensa satisfação que reafirmamos com compromisso do iniciado em novembro de 2009, nós do Grupo “Sapientia et Virtute” e do Departamento de História da Universidade de Pernambuco – Campus Petrolina, em ampliar e divulgar o conhecimento entre pesquisadores de História e diversas áreas do conhecimento das Ciências Humanas e Sociais de diversas regiões do Brasil e agora com a colaboração de pesquisadores de diversas regiões do continente americano. Não poderíamos deixar de transmitir o nosso agradecimento a Maria Fernanda Sabio pelo apoio na idealização e construção dessa edição.

Boa Leitura.




segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Hidratante pode ter matado

Por Graziella Beting

Há remédios piores que a doença. Que o diga a rainha Hatshepsut, principal faraó mulher do Egito, que viveu por volta de 1450 a.C. Segundo cientistas da Universidade de Bonn, ela pode ter morrido por causa do creme hidratante que usava. Essa é a suspeita levantada pelos especialistas que analisaram o conteúdo – até hoje intacto – do frasco encontrado entre os objetos da faraó, hoje conservado no Museu Egípcio da universidade.

A descoberta foi feita por Michael Höveler-Müller, curador do museu, e Helmut Wiedenfeld, do Instituto de Farmacologia da universidade. Por muito tempo, acreditava-se que o frasco contivesse perfume, mas, ao retirar amostras de seu conteúdo, eles identificaram um tipo de loção para a pele contendo uma forte substância carcinogênica. Os pesquisadores suspeitam que o creme possa ter sido indicado à faraó como tratamento para eczema, já que são conhecidos outros casos de doenças de pele na família de Hatshepsut.

O problema é que, além de substâncias hidratantes e anti-inflamatórias, os farmacologistas detectaram no creme da monarca uma grande quantidade de benzopireno, “uma das mais perigosas substâncias carcinogênicas que conhecemos”, afirma Wiedenfeld.

FONTE: historiaviva

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

2012: contagem regressiva para o fim do mundo?


O Armagedon tem uma nova data. E como nas outras ocasiões em que o fim do mundo foi anunciado, surgiram inúmeras especulações sobre o trágico “espetáculo” do Juízo Final. Curiosamente, ao contrário do ano 1000 e das previsões de vários “profetas” que desfiaram um rosário de eventos apocalípticos, não se mencionou a volta do Messias, Jesus Cristo na tradição cristã. Talvez porque a tão falada profecia esteja ligada aos maias – civilização que se desenvolveu na Península de Yucatán, no sul do México, e na América Central, em regiões que hoje fazem parte da Guatemala, de El Salvador e de Honduras. Eles eram politeístas, ou seja, adoravam várias divindades, ligadas à natureza.

Mas o que está no centro das recentes especulações apocalípticas é um dos diversos elementos da cultura maia que chegaram até os nossos dias: seu método de contagem do tempo. Eles idealizaram dois calendários: o religioso, com base na Lua, chamado Tzolkim (relacionado a aspectos da vida humana), tinha 260 dias divididos em 13 meses com 20 dias (kins) cada; o outro, Haab, mais parecido com o nosso, era o calendário agrícola (que organizava as etapas do plantio e da colheita), com 365 dias repartidos em 18 meses de 20 dias. Hábeis matemáticos, criaram um complexo sistema de sincronização – a “Roda Calendárica” – desses dois calendários, nada fácil de explicar. Em linhas muito gerais, a cada 52 voltas do Haab (um ciclo de 18.980 dias) correspondia um novo século, quando era realizada a cerimônia do fogo novo.

Momento de renovação

Para os maias, o fim de um ciclo é um momento de renovação, o início de uma nova era – o que desencadeou uma onda de mitos sobre o fim do mundo. O principal diz que o mundo acabará em 21 de dezembro de 2012. O dia é significativo no calendário justamente porque indica o fim de um ciclo e o início de outro, mas nenhum registro daquela civilização autoriza a afirmar que o mundo acabará naquela data, segundo Anthony F. Aveni, professor de Astronomia e Antropologia da Colgate University, de Nova York.

Outras versões dão conta de que um tal Planeta Nibiru (ou Planeta X) estaria em rota de colisão com a Terra, o que não seria possível, pois, além de não haver dados concretos sobre a sua existência, se fosse entrar em choque com a Terra no ano que vem, hoje já poderia ser visto a olho nu, segundo o astrônomo Marcelo Gleiser. O professor de Astronomia e Filosofia Natural do Dartmouth College, nos Estados Unidos, ainda desmente a suposição de que um alinhamento galáctico envolvendo o Sol, a Terra e o centro da galáxia destruirá nosso planeta. Só que esse fenômeno acontece todo mês de dezembro.

“Esse frenesi todo é irracional”, garante Marcelo Gleiser. Mas serviu, mais uma vez, de inspiração para a poderosa indústria cinematográfica norte-americana, que levou às telas “2012: o ano da profecia” (2009), uma superprodução que consumiu 200 milhões de dólares. Sucesso de bilheteria em vários países, como o Brasil, o filme mostrou que os mitos nascidos da credulidade humana ainda são generosas fontes de lucros. E, de quebra, enalteceu o esforço de reconstrução do mundo pelos Estados Unidos.


FONTE:revistadehistoria

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Lampião: Cabra - macho ou flor do sertão?


Depois de Hitler, Zumbi dos Palmares e a Imperatriz Leopoldina, o, digamos, revisionismo sexual de grandes personagens da História atingiu o cangaceiro Virgulino Ferreira da Silva. O problema é que a “descoberta” do juiz aposentado Pedro de Morais, autor do livro “Lampião, o mata sete” – no qual afirma que o líder do cangaço era homossexual –, nem novidade é, mas se alastrou feito rastilho de pólvora nos megabytes do mundo moderno. O historiador Antônio Amaury, que dedicou nada menos que 63 anos ao estudo do cangaço, inclusive entrevistando vários membros da tropa de Lampião, é categórico: “isso nunca foi sequer cogitado por todos que conheceram e conviveram com Lampião. Portanto, levantar essa difamação foi apenas uma forma desse juiz aparecer”.Se era esta a intenção (ou apenas difamar o mito), o ex-juiz conseguiu. Uma pesquisa no Google com os termos “Lampião” e “gay” remete a mais de 200 mil resultados, enquanto “Lampião” e “Pedro de Morais” respondem a mais de 40 mil links. Repercussão que, como de praxe nesses casos, ganhou força mesmo após a Justiça proibir o lançamento da obra, a pedido dos parentes do cangaceiro. Pedro de Morais acredita que a decisão será revertida em breve, já que tudo se trata de uma confusão de... sinônimos.“O próprio juiz, na sentença, afirma que não leu o livro”, argumenta Pedro. “Ele se baseou na manchete de um jornal popularesco, que chamou Lampião de boiola e Maria Bonita de adúltera. Mas em momento algum eu usei esses termos... Depois que ele ler o livro, não haverá problema algum. Tudo o que eu disse está relatado por vários autores. Eu apenas tive a coragem de expor sem meias palavras”. Fatos controversosPara sustentar a versão, Pedro de Morais usa como exemplo até fóruns públicos do site Yahoo, onde “todo mundo sabe da homossexualidade de Lampião”.“Você há de convir que obter prova material de homossexualidade seja difícil. Mas este era um fato amplamente sabido por vários estudiosos”, garante Pedro, citando como exemplo o professor Luiz Mott, doutor em antropologia e fundador do Grupo Gay da Bahia. A tese de Mott – igualmente não aceita por quem se dedicou especificamente ao tema cangaço – se baseia em relatos de que Lampião, na intimidade, adorava perfume francês, usava um lenço de seda e muitos anéis nos dedos. Foi o suficiente para a conclusão – de Pedro, claro, mas não de Antônio Amaury, do alto de suas mais de 250 horas de conversa com cangaceiros e mais de 7 mil entrevistas realizadas sobre o assunto.“Com todo o respeito, Mott dedicou a vida ao tema da homossexualidade, não ao estudo do cangaço. Não há o menor fundamento para se afirmar isso. Eu conversei com mais de 30 cangaceiros, alguns diretamente ligados a Lampião, e ninguém jamais sequer comentou esse tipo de coisa. Inclusive, conversei uma vez com a mulher de um cangaceiro, que foi presa e levada para Salvador. Ela contou que só ouviu falar desse tipo de conduta, entre pessoas do mesmo sexo, ao chegar lá, na cidade grande”, conclui Antônio. Provas x AnedotasO médico-legista Estácio de Lima, autor de “O mundo estranho dos cangaceiros”, também é citado como fonte. Segundo Pedro, Lampião é descrito como um homem de “trejeitos afeminados”, com “postura de homossexual” e até “realizador da cultura homossexual”, conforme descreve o ex-juiz, acrescentando ainda que Lampião “não tinha capacidade de ereção”.Antônio refuta:“Não há testemunhos nem a menor evidência para esse tipo de acusação. Mas agora está na moda dizer que toda personalidade histórica foi homossexual. Uma das bases dessa acusação estapafúrdia de impotência foi um tiro que Lampião levou na virilha. Mas esse ferimento, comprovadamente, de modo algum afetou sua virilidade, muito menos, obviamente, sua masculinidade”.Seja como for, Pedro de Morais não faz questão de esconder a antipatia pelo rei do cangaço, que foi tema da reportagem “Fascinantes facínoras”, publicada em maio pela RHBN.“Eu trabalhei nas comarcas de Canindé e Poço Redonda e cansei de ouvir histórias escabrosas de Lampião. Meu objetivo é desmitificar esse canalha, um dos piores elementos que a natureza já produziu”, afirma.Policial militar de Sergipe, Marcelo Rocha também faz pesquisas sobre o cangaceiro, mas sob o ponto de vista da polícia – ou seja, de quem não teria o menor motivo para defender Lampião. Ele também rejeita a tese.“Não há a menor evidência sobre isso, nenhum relato ou livro com fundamento para tanto. O máximo que havia era conversas de esquina, meras anedotas do


Não é piada, é verdade

Antes relegado ao pitoresco de pautas ocasionais, o humor ganhou em anos recentes o estatuto de um autêntico programa de pesquisas históricas. No cenário contemporâneo, em que falharam os grandes projetos políticos de transformação global, os historiadores começam a olhar na direção de uma história cultural do humor, mostrando o quanto o riso incentivou laços de sociabilidade, sublimou ressentimentos, estilizou a violência e não raro virou arma social e política dos impotentes, forjando uma cultura política da divergência. Além, é claro, de divertir.Curioso e revelador é o caso dos historiadores dedicados ao estudo do humor brasileiro. À primeira versão do meu livroRaízes do Riso – originalmente uma tese de livre-docência –, muitos diziam: “É uma tese de Teoria da História, mas estuda piadas!” É certo que eu não estudava propriamente as piadas, mas, sobretudo, os seus usos e significados peculiares a cada época. Acabei dando livre curso à brincadeira dos colegas porque me parecia reveladora da representação humorística da história brasileira, só compreensível pela anedota a seguir.

País da piada pronta

Quando o viajante alemão Von Papen (1879-1969) passou pelo Brasil, em 1912, contaram-lhe que, na reforma urbana da capital, o único prédio que desabou, por erro de cálculo, foi o do Clube de Engenharia. O alemão sorriu diante da piada, mas disseram-lhe que o caso não era para rir, pois acontecera de fato. Mendes Fradique – pseudônimo do humorista brasileiro Antonio Madeira de Freitas (1893-1944) –, que relatou o episódio, concluiu: O humorismo tem objeto no contraste direto entre o que é e o que deverá ser. Ora, no Brasil, tudo é precisamente como não deverá ser, de modo que se torna impossível este contraste e, portanto, igualmente impossível o humorismo.”Seria verdadeiro tal diagnóstico? No Brasil, o cômico seria parte incontrastável da vida real e o humorismo impossível porque a realidade já superava a anedota? Ou o caso citado exemplificaria o contrário: se não há contraste, é porque o humor é indistinguível, já faz parte da vida e, portanto, vivemos em pleno “país da piada pronta”? Dilema complicado, que, tanto nos meus escritos publicados quanto em pesquisas em curso, tentei resolver. Mais do que noutros lugares, nossa história é permeada de rápidos flagrantes que brilham por trás da ingênua e pitoresca diversão. Para o historiador, constituem momentos de uma ética emotiva que salva o indivíduo da ausência de dimensões formais que funcionem ou do pavor que ele tem de viver numa sociedade cheia de mediações abstratas. Aqui, Sérgio Buarque de Holanda, lá do seu Raízes do Brasil, dá aquela piscadela cúmplice para um país em que há uma profusão de leis que nunca dão certo: funcionam os tratamentos em inho, a simpatia – mas também a corrupção, o jeitinho ou a violência, que se sabem impunes, terminando tudo com o toque especialíssimo e emotivo da piada. Que também retroalimenta a mesma ética emotiva, pois o riso é fundamentalmente emoção. Ou já resolvemos o dilema de Fradique, superamos nossos fantasmas do passado e viramos um país sério, no qual o riso seria autêntica libertação?

Elias Thomé Saliba é professor titular de Teoria da História na Universidade de São Paulo e autor de Raízes do Riso(Companhia das Letras, 3ª. ed., 2008).


sábado, 3 de dezembro de 2011

O primeiro repórter negro da America



Este ano, cidades e organizações em todo o USA comemoraram o 150 º aniversário do início da GuerraCivil americana, que durou de 1861 a 1865.Na história do jornalismo, a Guerra Civil marcou a primeira vez que um grande número de repórteres,artistas e fotógrafos seguiram tropas para a batalha para noticiar em primeira mão.
O repórter Thomas Morris Chester do Philadelphia Press foi o único negro cobrindo a Guerra Civil para um grande jornal. Ele estava em Richmond, Virgínia, em 1865, quando tropas da União invadiram a capital confederada.
Chester, o filho de um catador de ostras e um escravo fugido, entrou em Richmond com soldados negros da União que estavam lutando para ganhar a liberdade, não apenas para sua raça, mas também o reconhecimento como patriotas por seu país.
Logo no início, Chester passou apoiar o movimento de colonização africano, defendendo os assentamentos da Libéria. Ele imigrou para a Libéria em 1853 com idade de 19 anos, onde se tornou editor do jornal Star of Liberia newspaper em Monróvia. Ele voltou para os Estados Unidos depois de um ano, mas viajou freqüentemente para a Libéria nos 13 anos seguintes. Ingressou no Philadelphia Press em 1864, tornando-se primeiro repórter de jornal da raça negra.
Depois da guerra, Chester viajou por toda a Europa defendendo a Libéria, estudou Direito na Inglaterra e mais tarde tentou a politica na Louisiana.
Em 1892, amargurado pelas leis e doente, ele retornou à sua cidade na Pensilvânia, onde morreu de um ataque cardíaco. Ele foi enterrado em um cemitério para segregados em Harrisburg sua cidade natal.

fonte: kduko

Áfricas ocultas


Quando chega à sala Iyá Obá Biyi, do primeiro ano do ensino fundamental, a vice-diretora Iraildes Nascimento saúda os pequenos alunos com um yá agô (com licença). Ao que todos logo respondem: agô yá (licença concedida). Por toda a Escola Municipal Eugênia Anna dos Santos, essas e outras “palavras básicas de convivência” da língua iorubá são lembradas em murais e cartazes pendurados ao lado de fotos de mães de santo. Perto dali, numa escola estadual na Estrada das Barreiras, a professora de História Luciana Araújo até tenta falar sobre candomblé e religiões africanas com as turmas de adolescentes. Mas, quase sempre, alguém debocha e pergunta: “Você é macumbeira, não é?”

O bairro é Cabula, localizado na área central de Salvador, entre a rodovia BR-324 (que liga a capital à cidade de Feira de Santana) e a movimentada Avenida Paralela. Mesmo tendo uma população de mais de 90% de negros e pardos, boa parte dos professores das escolas públicas da região ainda encontra resistência ao trazer a história e a cultura africanas e afro-brasileiras para as salas de aula. Mais de oito anos após a promulgação da Lei 10.639 – que tornou obrigatório o estudo desses temas nos ensinos médio e fundamental –, eles continuam esbarrando na falta de apoio efetivo dos governos, no preconceito e no desinteresse de coordenadores, pais, alunos e até dos próprios professores.

A Escola Eugênia Anna dos Santos é praticamente uma exceção nesse cenário. Instalada desde a década de 1970 no tradicional terreiro de candomblé Ilê Axé Opô Afonjá, é uma referência na capital baiana e mesmo fora do Brasil. Tudo começou com o desejo de Mãe Aninha (1869-1938), fundadora do terreiro em 1910, de ver seus “filhos com anel no dedo aos pés de Xangô [seu orixá]”. Seguindo esses passos, Maria Stella de Azevedo Santos, a Mãe Stella, que lidera o Axé desde 1974, concretizou o sonho da primeira ialorixá (mãe de santo). De início, foi montada uma creche, a Minicomunidade Obá Biyi, que abrigava crianças filhas do terreiro, com idades que iam de poucos meses até cinco anos. Em 1986, esse pequeno espaço se transformou numa escola de 1ª a 4ª série do ensino fundamental e ganhou o nome de sua inspiradora. Mais tarde, foi incorporada à rede municipal de Salvador.

Mitos africanos na escola

Na mesma época, a educadora e historiadora Vanda Machado começou a frequentar o terreiro. E não demorou a escolher o local como objeto de suas pesquisas de mestrado. A ideia inicial era desenvolver atividades a partir das próprias vivências das crianças, do saber e da cultura da comunidade, e tomá-los como “suportes para aquisição de novos conhecimentos”. Nascia aí o projeto político-pedagógico Irê Ayó (ou Caminho de Alegria), elaborado junto com Carlos Petrovich e adotado na escola a partir de 1999. “Nossa proposta maior é a formação de sujeitos autônomos e solidários, com o sentido de pertencer e participar de seu lugar. Isso tudo foi inspirado no que víamos no terreiro, onde a solidariedade acontece naturalmente”, explica a pesquisadora, filha de Oxum e ebomi (pessoa mais velha no santo) da comunidade.Trabalhos dos alunos da Escola Eugênia Anna dos Santos. DivulgaçãoEnquanto conversava e compartilhava experiências com homens e mulheres do Opô Afonjá, Vanda ia registrando e recriando histórias, mitos dos orixás e africanos. No fim, esse rico material virou o ponto de partida de todo o projeto educativo da Escola Eugênia Anna. “A cada bimestre, trabalhamos um desses mitos. Os alunos também fazem uma relação com a vida lá fora. Isso acaba, de alguma forma, chegando às famílias. Resgatar e apresentar o mito é atravessar os muros do terreiro, da sala de aula. Esta é a intenção do Irê Ayó”, afirma Iraildes Nascimento, vice-diretora da escola e única funcionária que também é filha de santo. E as histórias não são selecionadas de forma aleatória. “Procuramos sempre estudar a atmosfera, o que está acontecendo ao redor da escola. ‘Iansã criando a democracia’ veio na época em que a campanha presidencial estava efervescente”, lembra a professora Cláudia Castro.Nos primeiros meses deste ano, a “transformação da Conquén” inspirou todas as atividades escolares. Os professores e coordenadores começaram a perceber que algumas “palavras mágicas” – com licença (yá agô), obrigado (adupé), desculpa (pe leô) – estavam sendo esquecidas. Então, nada melhor do que resgatar a história da galinha d’angola que vivia reclamando do mundo e não lhe dava nenhuma contribuição. Depois de encontrar o Oluô, ela finalmente descobriu que não estava só, precisava apenas melhorar suas relações. “O mito da Conquén foi o norte para alavancar nossa dinâmica, desenvolver o conteúdo das aulas. Essa é a parte objetiva. Mas tem também o lado mais subjetivo, um ganho difícil de mensurar. Assim como a galinha se transformou, nós também nos transformamos com sua história”, completa Cláudia Castro.

Além dos livros didáticos

No fim das contas, o mito é uma porta de entrada mais que eficiente para trabalhar a Lei 10.639. “A partir dele, podemos recuperar todo o legado dos africanos e dos afrodescendentes. Se o livro didático não traz os assuntos, buscamos em outros lugares. Trabalho em outra escola, mas lá não consigo efetivar a lei. Sempre ouço: ‘Já fazemos isso na Consciência Negra’. É complicado lidar com essa resistência”, lamenta Catarina Pedreira, professora do 4º ano .De fato, a situação é bem diferente em outros colégios públicos, e também nos particulares, espalhados por Salvador. Para começar, boa parte dos professores não recebe qualquer tipo de formação ou capacitação. Como faltam apoios oficiais e dos próprios coordenadores escolares, as iniciativas são, em geral, individuais e esporádicas. O resultado disso são profissionais desmotivados e alunos desinteressados. “Não quero nadar, nadar e morrer na praia. Ou fico brigando ou deixo para lá, numa atitude meio egoísta. Quando você pode, flui na sua aula do jeito que acha, sem saber se está correto ou não. De alguma forma, quando se fala da escravidão, já se toca um pouco na questão. Infelizmente, esta é a realidade de mais de 80% das escolas”, lamenta a professora de História Luciana Araújo.E como as instituições também têm estruturas muito precárias, a obrigatoriedade trazida pela lei acaba ficando praticamente no fim de uma longa lista de problemas e prioridades. A escola estadual em que Luciana trabalha, na Estrada das Barreiras, está instalada em dois prédios separados por uma pista asfaltada. Há onze anos a comunidade espera a construção de um novo espaço. Nas salas de aula não há cadeiras para todo mundo. Em geral, apenas vinte estudantes conseguem lugar para sentar. Em dias de prova, aparecem cinquenta. A solução é fazer um rodízio. “Nós, professores, também não temos cadeira e nem mesa. Coloco a minha bolsa no chão. É nessa escola sem suporte nenhum que querem que eu ofereça um ensino de boa qualidade”, alerta Luciana.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Biblioteca Digital Mundial da Unesco: fonte para pesquisas.



A Biblioteca Digital Mundial disponibiliza na Internet, gratuitamente e em formato multilíngue, importantes fontes provenientes de países e culturas de todo o mundo.

- Os principais objetivos da Biblioteca Digital Mundial são:

* Promover a compreensão internacional e intercultural;

* Expandir o volume e a variedade de conteúdo cultural na Internet;

* Fornecer recursos para educadores, acadêmicos e o público em geral;

* Desenvolver capacidades em instituições parceiras, a fim de reduzir a lacuna digital dentro dos e entre os países.

Link para acesso: http://www.wdl.org/pt/


Redação Revista Historien.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Decreto de Cristina manda reescrever História argentina

Historiador aliado vai dirigir novo instituto e dar 'reconhecimento adequado' a certos personagens

ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES - O Estado de S.Paulo

BUENOS AIRES - O governo da presidente Cristina Kirchner determinou por decreto que o Estado argentino comandará uma revisão oficial da História do país. Para isso, criou o Instituto Nacional de Revisionismo Histórico Argentino e Ibero-Americano Manuel Dorrego, que dependerá da Secretaria Federal de Cultura e funcionará com fundos públicos.

Estado argentino comandará uma revisão oficial da História do país - Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters
Estado argentino comandará uma revisão oficial da História do país

A entidade que reescreverá a História argentina será comandada pelo historiador Mario Pacho O'Donnel, declarado admirador dos caudilhos argentinos. Ela também será integrada por ministros do gabinete presidencial, jornalistas alinhados ao governo e líderes políticos.

O decreto determina que o objetivo do instituto será o de "estudar, investigar e difundir a vida e obra de personalidades e circunstâncias destacadas" da História argentina "que não tenham recebido o reconhecimento adequado no âmbito institucional". No decreto, a presidente Cristina condena a História "escrita pelos vencedores das guerras civis do século 19".

O instituto terá o nome de Manuel Dorrego, governador da Província de Buenos Aires em 1820 e novamente entre 1827 e 1828. O governador fuzilado em 1828 (considerada a primeira morte política da História da Argentina) sempre fascinou a presidente. Em diversas ocasiões, Cristina comparou-se a Dorrego, afirmando que sofre "fuzilamentos midiáticos".

Revisionismo. Desde o início do governo do ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007), a Casa Rosada criou feriados com alusões históricas. Foi o caso do feriado de 24 de Março, o "Dia da Memória pela Verdade", para recordar a data do golpe militar de 1976. O governo ignora a data em que o país voltou à democracia, 10 de dezembro de 1983 - segundo a oposição, porque o primeiro presidente civil da democracia foi Raúl Alfonsín, da União Cívica Radical (UCR), partido rival dos peronistas.

Nos últimos anos, o kirchnerismo incentivou manifestações contra a imagem do presidente Julio Argentino Roca (1880-86 e 1898-1904), protagonista na conquista da Patagônia (incluindo o massacre de dezenas de milhares de indígenas). Roca, um conservador que admirava a Europa, é considerado um "genocida" por integrantes do governo, que defendem a retirada de suas estátuas. O governo Kirchner, entretanto, considera o ditador Juan Manuel de Rosas (1835-52) um "herói", embora tenha protagonizado campanhas militares contra indígenas do sul da Província de Buenos Aires.

Fonte: O Estadão

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

A pioneira entre os mestres


Nascida há 144 anos, essa polonesa se tornou a primeira mulher a ganhar, sozinha, um Prêmio Nobel. Em homenagem à pesquisadora, a Unesco proclamou 2011 o Ano Internacional da Química

por Pascal Marchetti-Leca

Maria Salomea Sklodowska nasceu no dia 7 de novembro de 1867, em Varsóvia. Filha da Polônia e súdita do czar, sua vida parecia condenada à resignação, assim como a de todas as suas compatriotas. Quem, às margens do rio Vístula, se preocupava então com a emancipação feminina e com a igualdade entre os sexos?

Para piorar, seu país estava sob o domínio de São Petersburgo, e a Polônia inteira tremia sob a bota do czar de todas as Rússias. Diante desse panorama, nada predispunha Maria a desafiar o status quo. No entanto, sob a couraça da força de vontade, ela acabou por mostrar ao mundo outra concepção de protesto, outro modo de reivindicar.

Ainda jovem, descobriu as armas que estavam ao alcance de seus compatriotas – as bibliotecas, não as barricadas – e a atitude com a qual deveria encarar a vida: um profundo respeito pelo próximo, o controle sobre os sentimentos e uma dignidade inquebrantável.

Universitário obcecado pela poesia, o pai, Wladislaw Sklodowski, era professor de física em uma escola de Varsóvia. A mãe, Bronislawa, dirigia um internato para moças na cidade. O casal teve cinco filhos: Sofia, Bronislawa (apelidada de Bronia), Helena, Josef e Maria.
Mais informações vejam no site indicado, lá consta toda a incrivel biografia deste genialidade feminina.

História entre quatro paredes


Houve um tempo em que as mulheres brasileiras eram obrigadas a se enfear e os homens precisavam dormir de lado, nunca de costas, para evitar “a concentração de calor na região lombar”. Estes e outros casos íntimos estão agora reunidos pela historiadora Mary del Priore no livro “Histórias íntimas – sexualidade e erotismo na História do Brasil”, da editora Planeta, que mostra como o sexo se transformou de um assunto abolido para um tema perene na atual sociedade.A sexualidade e a noção de intimidade foram mudando ao longo do tempo seja por questões políticas, econômicas ou culturais. Mary, que dedicou 15 anos ao tema, narra as histórias com uma riqueza de detalhes capaz de fazer o leitor invadir a intimidade de casais de cinco séculos atrás, abordando temas como nudez e pudor, hábitos de higiene, afrodisíacos, crendices, homossexualidade e prostituição, além do surgimento da lingerie e do biquíni, de remédios caseiros para aborto até os bailes de carnaval e, enfim, a revolução sexual. “Se antes o sexo era proibido, hoje ele é obrigatório. Atualmente gozar tornou-se praticamente um dever das pessoas”, conta.

Exemplo de cimaEnquanto nos séculos XVII e XVIII a mulher era vista como venenosa, traiçoeira e ninho dos pecados sob a Terra – visão propagada pela Igreja –, no século XIX o adultério passou a ser um assunto debatido. Graças, em parte, aos exemplos que vinham de cima – ou seja, da família real e, mais precisamente, do imperador Dom Pedro I. Entre os “súditos”, “fazia-se amor com a esposa quando se queria descendência; o resto do tempo era com a outra”.A “descoberta” do corpo feminino, no século XX, se deu, segundo Mary, em grande parte ao incentivo aos exercícios físicos, o trabalho nas ruas e a aceleração das cidades, fazendo com elas passassem a se expor publicamente. Uma das curiosidades é que a pílula anticoncepcional chegou a ser vista como instrumento norte-americano para conter o povoamento das nações latinas. Passo a passo das relações sexuaisO livro traz ainda um documento inédito da coleção Rio Nu, considerada a primeira revista masculina publicada no Brasil – que chegava até a ensinar recém-casados a ter relações sexuais. Para a autora, a descoberta compôs a tríade necessária para compor um bom livro de História: que seja instrutivo, divertido e traga alguma novidade.“Essencialmente, o livro mostra as duas caras do Brasil. Uma coisa é o que nos mostramos em público, e outra completamente oposta é o cidadão na vida privada, com sentimentos machistas e homofóbicos que perduram há 500 anos. Na intimidade, estamos muito longe de sermos libertários”, argumenta Mary.

Abertas as inscrições para seleção de novos membros da Revista Historien


Com o intuito de dar continuidade nas atividades da Revista Historien, a atual equipe abriu a seleção para os novos membros que irão atuar nas áreas de: Editoração, Revisão, Arte e Design e Comunicação. Os interessados devem enviar emails para revista_historien@ig.com.br até o dia 22/12/2011 informando a área em que deseja atuar, além de:

Nome;

Período do curso;

Número da matrícula;

Endereço;

Contatos (Email e telefone).

E um texto de 1000 caracteres respondendo às perguntas: “Porque participar da revista e quais os seus objetivos caso seja escolhido”. Os candidatos escolhidos pela solicitação via e-mail serão entrevistados por membros do Conselho Editorial e membros da Equipe de Editoração; o resultado será publicado no blog da revista e no portal www.revistahistorien.com

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Fotos exibem lado afetuoso dos donos do poder

Na exposição preparada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o espectador poderá ver o abraço afetuoso de Getúlio Vargas em seu pai, um momento de reflexão de João Goulart em uma fazenda no Rio Grande Sul e o beijo de Costa e Silva em sua neta, Carla Costa e Silva. Para funcionar como legenda das fotografias, há textos de correspondência familiar e diários. O material dá uma dimensão muitas vezes desconhecida da vida privada dos homens que foram importantes na vida política do país.Quintino Bocaiúva, um dos mais importantes republicanos na virada do século XIX para o XX, é personagem secundário em uma foto: em visita ao cemitério, parentes se reúnem em torno do seu túmulo e ganham destaque ao posar para a câmera — cada um faz ao seu modo um gesto formal para registrar o momento fúnebre. Hoje, essa situação seria no mínimo estranha diante da mudança da relação das pessoas com a fotografia. O documento póstumo do único civil a cavalgar com o Marechal Deodoro para proclamar a República também está no Espaço Cultural FGV.— São vários os momentos em que o comportamento das pessoas muda diante do suporte da fotografia. Um interessante é o da invenção da Kodak. A primeira vez em que eu tomei contato com esse fato foi em um diário da filha do Assis Brasil (militar). Ela dizia que estava aproveitando a visita de vários políticos ao pai para tirar algumas fotos, pois o filme acabaria logo. As primeiras máquinas da Kodak já vinham com o filme dentro, com mais ou menos cem fotos cada uma, e, para que ela pudesse ter novamente a câmera disponível para fotografar, teria antes que mandá-la para Rochester, nos Estados Unidos. Lá, eles iriam imprimir as imagens, colocar um novo filme e mandar tudo de volta — conta a historiadora Regina da Luz, também curadora da exposição.A seleção do material não foi baseada na qualidade técnica da imagem. "A especificidade da foto — seja pelos tipos nela representados ou por sua composição e até mesmo por sua relação com o conjunto selecionado — justifica sua inclusão", diz a apresentação de "Álbuns de família: a vida privada no acervo do CPDOC". Embora haja essa advertência, Regina da Luz se disse impressionada pela qualidade do material selecionado:— Foi bastante impressionante ver como são boas as fotos doadas pelas famílias.A entrada da exposição é gratuita e ocorre até o dia 2 de janeiro no Espaço Cultural FGV (Rua da Candelária 6, Centro). Fica aberta de segunda a sexta, das 8h às 22h, e sábado. das 9h às 18h. Veja algumas imagens em




A história incrível dos gêmeos negros albinos



A história dos dois irmãos negros albinos de Roanoke, estado da Virginia nos EUA, é única, mesmo no mundo dos circos de shows bizarros. Eles foram exploradas e, mais tarde aclamados por seu papel no início da consolidação dos direitos civis. Os irmãos Eko e Iko (nomes reais: George e Willie Muse) têm uma das histórias mais notáveis na história do circo dos horrores.
Tudo começou de forma bem dramática em 1899, quando foram sequestrados por caçadores de recompensa de circos de horrores por causa de sua aparência única. Albinos negros, algo extremamente raro, logo se transformaria em uma atração extremamente lucrativa. Para sua mãe disseram que eles estavam mortos e que nunca mais voltariam para casa.
Em 1922 os irmãos começaram a turnê no circo do inescrupuloso e mulherengo Alpheus George Barnes, o Al G. Barnes Circus, que mais tarde acabaria por se fundir com Ringling Bros. and Barnum & Bailey Circus de propriedade de um dos homem mais desprezíveis que já calcou a Terra, Phineas Taylor Barnum.
Para acentuar ainda mais sua aparência incomum, os irmãos tiveram que deixar o cabelo crescer com um incomum dreadlocks branco para aquela época. Foram apresentados como os canibais brancos equatorianos Eko e Iko. Mais tarde foram rebatizados de "Homens Cabeça de Ovelha" e mais tarde visando atrair multidões passaram a se chamar "Os Embaixadores de Marte".




Alpheus George Barnes não pagava nada aos irmãos, só recebiam um prato de comida por dia e dormiam em um quarto imundo. Assim os dois acabaram indo parar no circo de Barnum e durante uma turnê em 1927, a mãe os reconheceu e exigiu que fossem liberados ou iria processar o circo.
Eles foram soltos, mas retornaram para o show dos horrores em 1928, desta vez com um contrato que lhes garantiu uma pequena fortuna se apresentando em locais como o Madison Square Garden para mais de 10.000 pessoas. Seu novo contrato permitia que eles vendessem souvenires e tinham participação majoritária nos lucros dos shows. Em 1930 eles excursionaram pela Europa, Ásia e Austrália e se apresentaram para membros da realeza e dignitários, incluindo a rainha da Inglaterra.
Em 1937 foram contratados a peso de ouro pelo Ringling Bros. and Barnum & Bailey Circus e ali ficaram durante vários anos. Finalmente terminaram a carreira em 1961 no Clyde Beatty Circus. Os irmãos voltaram para sua cidade natal e viveram, como sempre faziam, juntos em uma casa que haviam comprado originalmente para sua mãe. Nenhum dois se casou apesar de ficarem muito conhecidos por seus extravagantes namoros.
George Muse morreu em 1971 e muitos esperavam que logo Willie fosse seguir seu irmão, eram inseparáveis. Estavam errados. Willie continuou a tocar seu bandolim na varanda todas as tardes e desfrutou da companhia de amigos e da família até sua morte na Sexta-Feira Santa de 2001. Ele tinha 108 anos de idade.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Comissão aprova regulamentação da profissão de historiador



A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público aprovou proposta que regulamenta o exercício da profissão de historiador. De acordo com a proposta, historiador é o profissional responsável pela realização de análises, de pesquisas e de estudos relacionados à compreensão do processo histórico e pelo ensino da História nos diversos níveis da educação.
O texto aprovado é o Projeto de Lei 7321/06, do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), que tramita apensado ao PL 3759/04, do ex-deputado Wilson Santos. A relatora, deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), recomendou a aprovação do projeto apensado, com emenda, e a rejeição do projeto principal. Segundo ela, os projetos regulam a matéria em termos análogos, mas o PL 7321/06 não obriga o Poder Executivo a criar conselho de fiscalização do exercício profissional, como faz o PL 3579/04 – o que é inconstitucional. “Tais conselhos são considerados autarquias especiais e só podem ser criados por meio de lei de iniciativa do Presidente da República”, explica.
O PL 7321/06 prevê, porém, a inscrição do historiador em conselho de fiscalização do exercício profissional. A emenda da relatora retira essa previsão.

Profissionais habilitados


Segundo o projeto, poderão exercer a profissão de historiador no País:


- quem tiver diploma de nível superior em História, expedido no Brasil, por instituições de educação oficiais ou reconhecidas pelo governo federal;
- os portadores de diplomas de nível superior em História, expedidos por escolas estrangeiras, reconhecidas pelas leis de seu país e que revalidarem seus diplomas de acordo com a legislação em vigor;
- os diplomados em cursos de mestrado ou de doutorado em História, devidamente reconhecidos;
- os que, na data da entrada em vigor desta lei, tenham exercido, comprovadamente, durante o período mínimo de cinco anos, a função de historiador.
Para exercerem as funções relativas ao magistério em História, os profissionais deverão comprovar formação pedagógica exigida em lei.


Atividades


A proposta também define as atividades e funções dos historiadores, entre elas:
- planejar, organizar, implantar e dirigir serviços de pesquisa histórica, de documentação e informação histórica;
- planejar o exercício da atividade do magistério, na educação básica e superior, em suas dimensões de ensino e pesquisa;
- elaborar critérios de avaliação e seleção de documentos para fins de preservação;
- elaborar pareceres, relatórios, planos, projetos, laudos e trabalhos sobre assuntos históricos;
- assessorar instituições responsáveis pela preservação do patrimônio histórico, artístico e cultural (museus, arquivos, bibliotecas).

Tramitação

A matéria segue para a análise, em caráter conclusivo, da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

PL-3759/2004
PL-7321/2006

Reportagem – Lara Haje

Edição – Regina Céli Assumpção

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Cientistas usam raio - x para não precisar dissecar múmia


Sem recorrer a ferramentas intrusivas, cientistas usaram raios-x e exames de tomografia computadorizada para revelar novas informações sobre uma múmia egípcia de 2 mil anos."É possível obter uma grande quantidade de informações com o uso de imagens médicas, sem danificar artefatos de valor incalculável, diferentemente dos estudos da década de 1960, quando se abriam as múmias", disse Sarah U. Wisseman, especialista em múmias da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, que lidera a pesquisa juntamente com um patologista, um radiologista e um antropólogo físico.A múmia era de uma criança que viveu no período greco-romano da história egípcia, entre 332 a.C. e 395 d.C. Wisseman e seus colegas escanearam a múmia em 1990 - descrevendo-a em seu livro "The Virtual Mummy" (Illinois, 2003) - e novamente este ano, já que a tecnologia se aperfeiçoou nos últimos anos.O crânio da criança estava rachado. Embora já se soubesse disso pelos exames antigos, novas imagens revelam que a rachadura é muito pior do que se pensava. "Há uma pedaço extra de osso empurrado para dentro da cavidade craniana", afirmou Wisseman. "Ainda não sabemos o que ocorreu antes ou depois da morte".As novas imagens também mostram que provavelmente havia uma mecha de cabelo de um lado da cabeça - algo visto em retratos romanos daquela época. A mecha era um sinal de status, indicando que a criança era de uma família abastada. Sustentando essa hipótese, os tecidos que envolvem a múmia contêm elementos dourados e pigmento vermelho importado da Espanha.O sexo da criança ainda é um mistério. A pélvis está danificada e as mãos cobrem a região genital.Wisseman apresentou as descobertas nesta semana num simpósio sobre múmias na universidade.FONTE: ig.com

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Mês da Consciência Negra

No Ano Internacional do Afrodescendente, o mês de novembro ocupa o lugar de protagonista nas celebrações em torno da memória do afrodescendente no Brasil. Em razão do Dia da Consciência Negra, comemorado no dia 20 (quando teria morrido o quilombola Zumbi dos Palmares), museus e universidades de todo o Brasil preparam uma agenda especial para que se reflita sobre o tema.

Rio de Janeiro e Niterói

Em Niterói, Rio de Janeiro, “Ordem e ruptura em debate – escravidão e alforria” reúne especialistas numa discussão sobre libertação dos escravos no México, Brasil e África, nos dias 8 e 9. Entre os palestrantes estão Alberto da Costa e Silva, Hebe Mattos, Ismênia de Lima Martins, José Flávio Motta, Marcus Carvalho e Sidney Challoub. O evento ocorre no auditório do PPGH do campus do Gragoatá da UFF, Bloco O, Sala 1, 5º andar.Do outro lado da Baía de Guanabara, a Fiocruz sedia “Aventuras e desventuras do estudo sociológico de um tema historiográfico: o caso do movimento pela abolição da escravidão no Brasil”, no dia 10. O evento terá a participação de Angela Alonso (professora do Departamento de Sociologia da USP) e Kaori Kodama (professora visitante da COC). Para comparecer basta se dirigir ao prédio da Expansão do campus da Fiocruz, na Av. Brasil, 4036, sala 407, às 10h.

Brasília

Em Brasília, uma exposição de fotografia traz sob o ponto de vista do fotógrafo amazonense Jimmy Christian a tradição quilombola no Sudoeste da Bahia. “Arraiais dos negros” é resultado de um período em que o artista passou nas cidades de Barra e Bananal retratando comunidades que ainda preservam bastante sua tradição africana. A mostra fica em cartaz até o fim do mês no Anexo IV da Câmara dos Deputados, com visitação de segunda a sexta, das 9h às 18h.

Bahia
Como foi apontado na matéria “Declaração à africana” da edição de outubro da RHBN, Salvador será mexida pelo Encontro Ibero-Americano do Ano dos Afrodescendentes, que ocorre entre 16 e 19 deste mês. A discussão vai abordar a realidade afrodescendente na América Latina, contando com a participação de vários grupos juvenis e do movimento negro, inserindo-se no programa estadual “Novembro negro”, que apoia este e mais uma série de eventos por toda a Bahia.Minas GeraisEm Ouro Preto, o Museu da Inconfidência organizou uma agenda que atravessa o mês. Na quarta-feira, 16, será exibido o filme “Atlântico negro, na rota dos orixás”(1998), que discute as relações entre Brasil e África, com enfoque na religião. Na segunda, 21, o destaque é a palestra “O legado de Chico Rei e reinado de Nossa Senhora do Rosário e Santa Efigênia”, ministrada por Kátia Silvério Augusto, terceira capitã do Congrado de Santa Efigênia – na sequência da apresentação, o filme “Chico Rei” (1985). Já no dia 25 será inaugurada a mostra “A presença do negro e a formação de Vila Rica – cultura e religiosidade”, no prédio anexo do museu. Para ter acesso à programação completa do mês no Museu da Inconfidência, acesse http://www.museudainconfidencia.gov.br/.

São Paulo
Uma programação especial também foi montada pela Pinacoteca do Estado de São Paulo que, até o fim de novembro proporciona um conjunto de atividades ao público que vai de apresentações teatrais a palestras e exposições. “Africanofagias paulistanas” é inspirado na antropofagia de Oswald de Andrade, que ao ver o Brasil como uma espécie de boca que tudo come lançou as bases para entendermos a nossa cultura. O próximo evento que ocorre na Pinacoteca já é no dia 12 e se chama “Negro paulistano me tornei, na metrópole que adotei” – uma palestra sobre personalidades negras que migraram para São Paulo, apresentada pelos professores Lígia Ferreira (Unifesp), Flávia Rios, Nelson Inocêncio (Unb) e Maria Aparecida Lopes (UFT).
FONTE: revistadehistoria

sábado, 29 de outubro de 2011

A família Bórgia em quadrinhos




A Editora Conrad tem em seu catálogo a história em quadrinhos para adulto da vida de Rodrigo Bórgia (1431-1503), o Alexandre 6º, o papa mais devasso da história. Cada um dos quatro volumes custa R$ 30,10. O desenho é do italiano Milo Manara e o texto do chileno Alejandro Jodorowsky.
A história mostra o quanto a Igreja Católica estava degradada no século 15. Alexandre 6º teve amantes e sete filhos. Dois deles foram César e Lucrécia, que participaram da devassidão do pai. Lucrécia era tida como “o veneno da família Bórgia”.
Rodrigo Bórgia foi corrupto (ele teria se tornado papa por intermédio de suborno) e despótico. Esteve envolvido em negócios escusos, assassinatos e incesto.
A Igreja Católica contemporânea nunca fez referência a ele, como se não estivesse existido, mas o papa safado com certeza serviu de inspiração ao fundador da Legionários de Cristo, o padre mexicano Marcial Maciel (1920-2008), que foi estuprador de coroinhas e viciado em cocaína e teve amantes e filhos, um deles também vítima de abuso.
Leia mais em http://www.paulopes.com.br/2011/05/peripecias-do-papa-alexandre-6-viram.html#ixzz1cBkwBNSR
Paulopes só permite a cópia deste texto para uso não comercial e com a atribuição do crédito e link. As reproduções são rastreadas diariamente.
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial







fonte: paulopes

Crítica: 'Tancredo, a travessia'

Depois que a ditadura militar se foi, ficaram histórias, imagens, depoimentos, memórias que precisavam ser reunidas por alguém com competência para fazer um filme que não soasse maçante ou meramente didático. Em Tancredo, a travessia, Silvio Tendler, que tem no currículo os documentários Os anos JK e Jango, soube fazer e contar bem a história de mais um dos grandes líderes políticos brasileiros.

A maior riqueza de Tancredo, a travessia está nos depoimentos, colhidos especialmente para o documentário, de personagens como o do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do senador Aécio Neves - neto de Tancredo, - e de outros políticos como Jarbas Vasconcelos, Fernando Lira, Almino Afonso e José Sarney, além do general Leônidas Pires Gonçalves, escolhido por Tancredo para ser ministro do Exército. Entre os artistas, participam nomes como Cristiane Torloni, Milton Nascimento e Fafá de Belém, apenas três dos inúmeros ativistas engajados que subiram no palanque de Tancredo e das Diretas Já.


[...]

É importante deixar claro que, no filme, a opção parece ter sido a de ouvir apenas os aliados do político mineiro, ou seja, os que viveram ao seu lado sua trajetória, da Era Vargas à campanha das Diretas. Paulo Maluf, por exemplo, aparece apenas no contexto da época. Nada de depoimento para o filme. A opção de Tendler, nesse caso, é discutível.

Além de fazer um resumo eficiente da trajetória do país desde a Era Vargas, quando Tancredo começava a dar passos firmes rumo à liderança política, o filme aborda também, e com mais clareza do que tudo o que já foi feito à respeito, a polêmica em torno da doença que matou o então presidente eleito, e jogou água na fervura da esperança de todo um povo, forçando a posse de José Sarney, ex-aliado da ditadura e dissidente do PDS.

Em depoimento ao filme, o próprio Sarney admite que, ao renunciar à presidência do então partido governista, quando, provavelmente, já percebia que a ditadura começava a naufragar, achou que sua carreira política havia terminado. Também com maestria, Silvio Tendler soube retratar toda a fase de criação do Partido da Frente Liberal (PFL), que reuniu os dissidentes do PDS para apoiar Tancredo e, quem sabe, continuar pegando carona no poder. Mal sabiam que, por uma triste obra do destino, não só pegaria carona, como reassumiriam o volante.

Sobre a diverticulite que resultou na morte de Tancredo, o documentário praticamente incrimina os médicos que atenderam o presidente eleito em Brasília, sem ouvir a versão de qualquer um deles. Nesse aspecto, a participação de Aécio Neves é fundamental. Hoje Senador pelo PSDB, o neto de Tancredo foi quem presenciou dois momentos decisivos para o fim da história: quando o avô, prestes a tomar posse, passa mal durante um jantar em família, e quando, já operado no hospital em Brasília, durante uma uma caminhada com o neto no quarto, sente que algo estava errado, e decreta: “Estourou tudo”. Era o início do fim.

Tancredo, a travessia, talvez peque por não ouvir o outro lado da história. Mas, certamente, conta muito bem o lado bom.

FONTE: jb.com.br

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A história do Jazz


Os historiadores rastreiam as origens do jazz em um diferente número de culturas e influências sociais que convergeram na Nova Orleans do século 19. O fator mais importante foi a importação de homens e mulheres da África e das Índias Ocidentais, trazidos como escravos para a América Colonial, junto com os refugiados que escaparam da ilha de Hispaniola fugindo da matança da Revolução Haitiana.

Escravização, colonialismo e exploração dos povos africanos tiveram papéis significativos no desenvolvimento da música afro-americana. No início do ano de 1800, os escravos se reuniram na Praça do Congo, em Nova Orleans, para tocar suas músicas e mostrar suas danças tradicionais. Os registros da época mostravam que os escravos usavam instrumentos de corda improvisados e tocavam tambores de maneira polirrítmica (ritmos sincopatizados múltiplos tocados simultaneamente).

Dois tipos de músicas afro-americanas foram importantes para o desenvolvimento do jazz: spirituals e músicas de trabalho. Spirituals eram músicas folclóricas religiosas que os escravos cantavam para expressarem seus desejos de liberdade e sua fé. Diferente da música, principalmente com base no ritmo das danças na Praça Congo, os spirituals eram vocais marcados por harmonias variadas e letras improvisadas.

Músicas de trabalho combinam o ritmo do trabalho com a cantoria e estão tradicionalmente ligadas às culturas da África Ocidental. Essas músicas eram usadas para sincronizar um grupo enquanto trabalhavam juntos, com um líder falando e o grupo respondendo. Muitos historiadores atribuem o padrão chamada e resposta no jazz a essa forma inicial de música afro-americana.

Os primeiros músicos de jazz nasceram na escravidão - permaneceu uma memória viva das pessoas que viveram antes da Proclamação da Emancipação dos escravos. E apesar dos elos oficiais da escravidão terem passado, os afro-americanos ainda são tratados injustamente por indivíduos e legislações locais.

Também entre os africanos e as pessoas do caribe estavam os europeus. Escoceses, ingleses, irlandeses, franceses, espanhóis e italianos deram contribuições distintas ao ponto de encontro de todas as culturas que é Nova Orleans. Com o passar do tempo, essas culturas começaram a emprestar e adotar umas das outras as tradições e a música. Os antropologistas chamam essa polinização cruzada de sincretismo. Para simplificar, onde a música africana tinha uma base mais ritmica, a música européia tinha uma concentração maior na melodia e harmonia. Uma aproveitou partes da outra. A música africana foi europeizada e vice-versa. Essa relação de troca persistiu durante o século XX e continua até hoje enquanto o jazz é tocado pelo mundo todo.

As influências das danças na Praça do Congo, spirituals, blues, música crioula, música clássica européia e orquestras de instrumentos de sopro se combinaram para criar as formas iniciais do jazz.

O início do jazz não foi muito bem documentado. Buddy Bolden (considerado o primeiro músico de jazz) nasceu em 1877 e as primeiras bandas de jazz surgiram por volta de 1885. De acordo com o All Music Guide, Bolden formou sua primeira banda em 1895. Muitas das informações que possuímos hoje são provenientes de entrevistas de quando a loucura do jazz já estava instalada. E infelizmente, as músicas dessa época inicial nunca foram gravadas.

Um novo estilo de tocar piano, desenvolvido perto do fim do século 19, começou a deixar seu marco no jazz também. Mas o ragtime, diferente do jazz, não era uma forma improvisada de música. Um tocador de piano mantinha a batida com sua mão esquerda enquanto tocava uma melodia sincopatizada com a direita. No alto da sua popularidade no início do século XX, o ragtime realizou incursões com os músicos de jazz que começaram a incorporar e enfeitar a técnica com seu próprio estilo.

No início, o jazz e a dança estavam inextricavelmente ligados entre si. Muitos viam o jazz como promíscuo e relacionado à classe baixa, em parte devido às ligações raciais. Mas nem todos se opunham a ele. Músicos brancos estavam loucos para aprender a nova música e começavam a procurar músicos negros, então o jazz começou a explodir.


FONTE: uol.com

A origem da encrenca

Quando nos metemos em algum tipo de infortúnio são várias as palavras utilizadas para expressar o nosso desespero ou infelicidade. Muitas vezes, o desejo de exteriorizar a infelicidade causada pela situação, nos leva a utilizar muitas palavras que nem imaginamos a sua origem e significado. Talvez esse seja o caso da palavra “encrenca”, que de tão corrente em nosso vocabulário cotidiano, acabou até mesmo se transformando em verbo.


Para recuperar a história desse termo, temos que nos deslocar para o Brasil na passagem dos séculos XIX e XX. Nesse período, os portos brasileiros receberam um grande numero de europeus que fugiam das conturbações causadas pelo fim do Antigo Regime e as crises econômicas do próprio sistema capitalista. Vale lembrar que vários imigrantes chegaram até aqui com a esperança de enriquecer trabalhando nas crescentes lavouras de café.


Nesse contexto de transformação e instabilidade, vemos que muitas famílias de judeus pobres da Europa ainda sofriam com as primeiras ondas antissemitas. Em alguns casos, essas famílias entregavam as suas filhas para agenciadores que lhes prometiam arranjar um bom casamento com um rico comerciante que prosperava em terras americanas. Tomados pelo desespero, muitos chefes de família acabavam deixando se levar por essas enganosas promessas.


Em muitos casos, já durante a viagem, essas jovens descobriam que estavam sendo contrabandeadas como escravas sexuais em diferentes cidades do continente americano. Chegando ao Brasil, essas prostitutas judias ficaram conhecidas como “polacas” e, mediante à sua recorrência, integraram a vida e o imaginário de vários bairros que compunham a vida noturna carioca e paulista.


Naturalmente, essas mulheres sofreram uma enorme discriminação por conta da posição marginalizada que ocupavam na sociedade da época. Tanto as autoridades oficiais, como as comunidades judaicas do Brasil reservavam um grande silêncio sobre a situação dessas mulheres. Contudo, essas prostitutas buscaram vínculos de solidariedade que pudessem lhes oferecer algum tipo de garantia.


Em muitos casos, essas prostitutas utilizavam o iídiche – língua bastante utilizada pelos judeus da Europa Central e Oriental – para darem recados entre si. Durante o seu trabalho, ao suspeitarem de que um cliente portava algum tipo de doença venérea, elas chamavam o sujeito de “ein krenke”. Na língua iídiche, o termo era comumente utilizado para definir a ideia de “doença”. Naturalmente, a popularização do termo acabou ficando abrasileirada para a nossa conhecida “encrenca”.